Opinião

Ela é uma Super Mulher

Estou nas minhas empreitadas de leitura, como sempre um hobbie que amo de paixão. Estou lendo “Notas de Liberdade” do Fred Elboni, já acompanho o blog dele a muito tempo e amo demais, lá conheci os melhores escritores, cronistas da atualidade, meu sonho inclusive é um dia escrever para o blog dele.

É um livro que me chamou muito a atenção, são crônicas sobre três mulheres diferentes, com perfis muito diferentes, vivencias diferentes e que procuram um lugar no mundo. Ainda não terminei de ler o livro, mas já senti uma vontade imensa de falar sobre ele, porque, poxa, ele é muito bom, em formato de crônicas, com uma sequência lógica linda, o Fred consegue colocar muito de nós mulheres ali, mas não naquele clichê barato ou até machista. É um livro que fala de mulheres livres, como elas devem ser, em busca de uma liberdade e de se entender bem, dos seus sonhos, seus medos, do até onde eu devo levar isso a diante. Fred expressa tão bem as palavras e faz tudo com uma leveza, mas ao mesmo tempo é questionador, tem uma posição bem direta sobre os temas, liberdade das mulheres, diria até feminismo. Posso ser quem eu quiser, posso fazer o que eu quiser e a única pessoa que devo me preocupar é apenas eu mesma. Não é incrível?

Estou lendo um livro que quebra tabus, que traz personagens fortes, verdadeiras e revolucionárias, mulheres maravilhas reais. Com medos mas ao mesmo tempo com muita coragem.

Porque é isso que nós somos, mulheres maravilhas. Cheias de força, atitude, coragem, determinação e medos, choros, sonhos, desilusões, pessoas reais, com medos e coragens reais.

Ainda não terminei de ler o livro, estou na personagem Sofia, mas já de cara amei ela.

O que posso dizer até aqui não só desse livro, é que nós mulheres hoje queremos nos ver representadas, mulheres fortes, mulheres de luta. Não mais princesas indefesas, mas as donas do castelo, da carruagem e até do dragão. Não precisamos mais de nenhum príncipe para nos salvar, queremos um príncipe para ser parceiro, companheiro. Um homem capaz de entender nossa mania de trabalhar de mais, de ter uma carreira de sucesso, e tudo bem se não quisermos ser mães ou talvez não mães tradicionais, homens que respeitem nosso espaço e o dia de encontro com as amigas e amigos, que deixem para lá os preconceitos bobos que mulher que transa no primeiro encontro não serve para namorar. Talvez nós mulheres tenhamos compreendido que não precisamos de príncipes e filhos para sermos felizes e completas, mas apenas compreender e realizar nossos sonhos, sejam eles belos, recatados e do lar ou loucos e do bar.

Que possamos ser apenas quem desejemos ser, simples assim, livres assim e como diria Fred Que possamos ser apenas quem desejemos ser, simples assim, livres assim e como diria Fred Elboni com Notas de Liberdade.

Pamela Sobrinho

Quem escreve?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *